top of page

MONUMENTO À MULTICULTURALIDADE

Esta obra de Sérgio Vicente evoca a multiculturalidade e a participação comunitária e está localizada no Centro Cívico da Caparica.

Aqui podes fazer uma visita guiada a este monumento de arte pública. Assiste ao vídeo.

Multiculturalidade.png

A OBRA

Sobre esta obra de arte pública, materiais utilizados e opções estéticas do autor

PORMENOR_PI_edited_edited_edited.jpg

O PLANISFÉRIO
DA INTERCULTURALIDADE

Mais um Projeto de Arte Pública Participativa

MM_maquete_edited_edited_edited.jpg

O LOCAL

Sobre a localização da obra e o seu espaço envolvente

mochila.png

RECURSOS

Disponibilizamos materiais de apoio aos professores e bibliografia

014_MonumentoMulticulturalidade_V_edited

OS AUTORES

Sobre Sérgio Vicente, o autor desta obra de Arte Pública

pergunta_edited.png

TESTA O QUE APRENDESTE

Põe os teus conhecimentos à prova com este desafio online

A OBRA

A OBRA

Multiculturalidade.png

Autor: Sérgio Vicente

Inauguração: 27 de abril de 2013

Materiais: chapas de ferro

MONUMENTO À MULTICULTURALIDADE

O Monumento à Multiculturalidade nasceu de uma proposta feita à Câmara Municipal de Almada pelo Centro de Investigação e Estudos em Belas Artes (CIEBA) da Faculdade de Belas Artes de Lisboa, como resposta à vontade do Município em instalar um monumento à multiculturalidade no concelho, destinado ao novo parque urbano do Monte de Caparica.

O projeto foi coordenado pelo escultor Sérgio Vicente que, ao longo de dois anos, dinamizou uma proposta de criação de arte pública participativa, envolvendo a comunidade local e uma equipa transdisciplinar de profissionais ligados às artes plásticas, antropologia, sociologia, história da arte, arquitetura e educação pela arte. Contou ainda com a participação da Faculdade de Belas Artes, com a colaboração da Prefeitura de Porto Alegre (Brasil) e do Centro de Investigação Polis de Barcelona.

Entre julho de 2011 e junho de 2012, cerca de 70 pessoas participaram em sete oficinas públicas de trabalho comunitário, com vista ao desenvolvimento de estratégias e metodologias, orientadas para a formação cívica, artística e comunicativa.

Foram construídas várias maquetas em cartão, plasticina ou esparguete que representavam elementos da memória daquele lugar, para assim se chegar à forma final. 

O Monumento à Multiculturalidade é composto por três elementos escultóricos, de aço, localizados em diferentes pontos do parque: a “casa” que representa o estar e a comunhão, o “poço” que tem o significado do fazer e da relação com o trabalho, e o “observatório” que reflete o sentir através das inquietações do desconhecido e do conhecer.

Todas as peças obedecem a uma mesma lógica de desenvolvimento vertical no espaço e a uma representação não figurativa, tendo-se optado por formas essenciais. A cor é a da ferrugem, ação do tempo sobre o metal, tendo sido inscritas as palavras “ Estamos, Fazemos, Sentimos”: «A cor vermelha ficou associada à palavra ‘estamos’ e à forma piramidal; a palavra ‘fazemos’ ficou inscrita sobre o fundo azul e sob a peça de geometria cónica; e a cor amarela ficou ligada à palavra ‘sentimos’ e à peça cilíndrica» (VICENTE, 2016:107).

Rogério Taveira realizou um documentário que condensa o processo artístico e colaborativo da criação do Monumento à Multiculturalidade, intitulado  "A arte pública como mediação entre território e comunidade”.

Nesta experiência partilhada, a arte serviu de motor de ligação da comunidade local. Segundo Vicente “Foi com base no reconhecimento de que o saber artístico, no domínio das ferramentas disciplinares do desenho urbano, aparece como um dos elos fundamentais na qualificação do espaço urbano, que a autarquia apostou em dar o espaço para a afirmação pública da identidade coletiva através da arte.” (VICENTE, 2016:55).

Processo Participativo: Estudos

Fotografia: Mário Rainha Campos

Monumento à Multiculturalidade

Fotografia: Mário Rainha Campos

O LOCAL

O LOCAL

21local.jpeg

Aqui podes conhecer melhor a localização da obra e o seu espaço envolvente.

CENTRO CÍVICO DE FRÓIS,
CAPARICA

A escultura está instalada no Centro Cívico do Fróis, na União de Freguesias da Caparica e Trafaria, que integra o Complexo Municipal de Piscinas de Caparica, a Biblioteca Municipal Maria Lamas e a nova sede do Clube Recreativo União Raposense, enquadrados pelo Parque Urbano do Fróis. Para além do Monumento à Multiculturalidade, existe ainda outra obra de Arte Pública no mesmo local: o Planisfério da Interculturalidade.

Dado à afluência de populações migrantes e imigrantes para a Caparica, foram criados bairros de habitação social para responder às necessidades de habitação, tornando-se num local de encontro de gentes de várias origens e culturas. O  Centro Cívico do Fróis nasce no âmbito do Programa de Regeneração Urbana de bairros sociais, sendo que a então presidente da Câmara de Almada, Maria Emília de Sousa, decidiu homenagear a diversidade deste território com a implementação do Monumento à Multiculturalidade.

A criação do Planisfério da Interculturalidade deu continuidade a esta ideia, com o envolvimento das escolas do ensino básico do concelho de Almada e da Casa da Cerca-Centro de Arte Contemporânea para a construção de um planisfério que visa representar a comunidade.

A Biblioteca Municipal Maria Lamas, que integra a Rede Concelhia de Almada, abriu ao público a 29 de Junho de 2013 e pretende promover a inclusão social através da partilha de saberes entre as diversas comunidades existentes no território. Assim, o seu piso térreo alberga cinco núcleos, que se organizam a partir de um espaço central: o Espaço Cidadão (no átrio), o setor adulto, o setor infantil, a sala polivalente e a área de serviços.